Não se cale!

  • Artigos

Para a jornalista Paula Araújo, a mulher precisa saber qual o seu papel no mundo, o que é respeito, assédio e dizer “olha, é o seguinte, aqui, desse ponto, você não pode passar”

Por Jane Freitas

Uma mão – invisível ou não – tapa os lábios de quem, por muito tempo, passava seu batom favorito para ficar mais linda do que já é e declamar sinceras palavras de amor.

Palavras de amor acompanhadas de um lindo sorriso, iluminado, para aquele a quem ela desejou compartilhar a vida, ter filhos, casar, enfim, formar o tão sonhado ’lar doce lar’.

Agora, aquele doce sorriso se apaga, se torna doloroso ao morder os lábios – já sem batom – ao trincar os dentes na tentativa de conter o pranto e sufocar os gritos.

Em outras situações, meninas, mulheres, mães, saem ainda de madrugada para trabalhar. Enfrentam ruas sombrias para conquistar o pão de cada dia e o merecido conforto para si e toda a família. Contudo, sem ao menos preverem, em alguma das esquinas da vida, são abordadas violentamente. Além dos pertences extraídos, muitas são roubadas na alma, feridas na honra e na dignidade.

O medo toma conta. Faz de inúmeras vítimas, reféns. O silêncio passa a ser ensurdecedor. A vontade de falar é grande, mas o medo de não serem ouvidas se torna um pavor.

Não! Não podemos mais permitir que situações como estas, graves, angustiantes, tristes, que ferem a dignidade humana, continuem. É preciso quebrar o silêncio, não ter medo de falar. A liberdade começa com o primeiro passo. Ainda que devagar, você pode chegar lá, você vai chegar lá!

“É o seguinte: aqui, desse ponto, você não pode passar!”

Tudo começa com o respeito. Respeito pela vida e pelo espaço do outro. Respeito, adquirido também, por meio de conhecimentos legais que regem os direitos e deveres de cada ser humano.

Portanto, todas as mulheres têm os seus direitos assegurados. É preciso conhecê-los. O que não se deve é alimentar o medo de falar, de procurar ajuda e se posicionar.

A jornalista Paula Araújo, da Globo News, esteve na Unisanta para falar com os universitários sobre os caminhos da profissão

Com uma grande experiência em reportagens, a jornalista Paula Araújo, da Globo News, entende bem sobre o assunto. Para ela, a mulher precisa saber qual o seu papel no mundo, o que é respeito, assédio e dizer “olha, é o seguinte, aqui, desse ponto, você não pode passar”.

Paula conhece vários projetos que cuidam do empoderamento de mulheres. Em muitas matérias que realizou, a jornalista diz que o que se observa, são mulheres fragilizadas que entendem o ocorrido como se fosse algo normal, e elas não pudessem falar sobre isso.

Em uma série que fez sobre mulheres, Paula Araújo entrevistou algumas vítimas de abuso sexual. Mulheres que passaram anos sem falar sobre o que havia acontecido porque achavam que ninguém iria ouví-las.

— ‘Poxa, mas eu não tenho uma prova. Eu não vou ser ouvida’.
“Até que a primeira resolveu falar, aí a segunda seguiu a primeira, a terceira seguiu a segunda, e elas tomaram força, conseguiram resolver a situação e a pessoa foi presa.

Todas as vezes que eu ouvi algum caso relacionado a qualquer tipo de abuso, de assédio, quando as mulheres se posicionaram e se empoderaram, elas conseguiram tomar a frente e reverter a situação. É lógico que não tem como voltar atrás, tudo isso traz marcas, e essas pessoas precisam de um acompanhamento. Mas quando você entende que não é para acontecer, você consegue mudar a situação”, relata a jornalista.

De mulher para mulher

De personalidade confiante, Paula Araújo diz que toda mulher precisa ser feliz e se sentir respeitada. Caso isso não aconteça é porque existe algo errado.

“Se você acha que não pode seguir em frente, que não consegue fazer nada, peça ajuda. Porque, certamente, vai ter alguém para ajudar e mostrar o melhor caminho para você sair dessa situação. Ninguém merece ser infeliz ou passar por algo que não seja o que você quer passar”, conclui.

A mulher tem voz, tem poder, tem garra. Nenhum medo – por mais terrível que seja – pode paralisá-la. Solte sua voz e grite o mais alto que puder. Permita que o mundo a ouça. Seja feliz. Liberte-se no corpo e na alma.

Passe seu batom mais provocante e sorria outra vez!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *